.

segunda-feira, fevereiro 26, 2018

OLHAR CRÍTICO - Somos realmente mais felizes com toda essa tecnologia ?




Às vezes fico pensando nos avanços da tecnologia, no poder da comunicação que temos hoje para atingir as massas de uma forma global, e no quanto evoluímos. E pensar que há menos de 100 anos viajávamos em carruagens puxadas por cavalos...É certo que em 50 anos a humanidade avançou mais em tecnologia e conhecimentos do que nos últimos 50 mil anos. Cada pessoa do planeta hoje pode se conectar a todas as outras. Geramos hexabytes de informação compartilhada. Usamos tecnologias cada mais avançadas que até pouco tempo alguém poderia pensar que fosse mágica ou bruxaria.

Mas...aonde tudo isso está nos levando ? ( Olhar Crítico ) - Será que toda essa tecnologia tem nos tornado seres humanos melhores ? Infelizmente, esse avanço não trouxe consigo o desenvolvimento no lado humanístico. Continuamos a semear guerras, genocídios, extermínio, ódio, violência. Nesse ponto, vivemos como nossos antepassados de 50 mil anos atrás. A pergunta-chave é: "Onde tudo isso está nos levando ?" Quem consegue compreender a totalidade do mundo moderno, suas interpretações, suas diversas realidades ? Quem gerencia toda essa tecnologia ? Governos, organizações secretas, uma elite que impõe a nova órdem mundial a 7 bilhões de pessoas ?

Por mais inteligentes e conhecedores que nos tornamos, ainda não temos respostas para as grandes questões da vida: De onde viemos, para onde estamos indo ? Haverá vida após a morte ? Qual o sentido da existência ? Existe algo que transcende o corpo físico ? A ciência é apenas uma fonte para as respostas. Ela não consegue responder a tudo, pelo menos, por enquanto. Precisamos olhar o mundo com outros olhos. E descobrir outras realidades ocultas. E só assim, poderemos encontrar as nossas próprias respostas, e descobrir finalmente, o nosso próprio caminho.

Por: Dihelson Mendonça



O Papel da música na filosofia de Schopenhauer



Resumo: Abordagem sobre a música na concepção do filósofo alemão ARTHUR SCHOPENAUER. A análise apresenta a influencia do contexto musical sobre a filosofia deste autor onde ficará explicita a distinção existente ente a música e as demais artes, a sua importância na vida do ser humano como superação do sofrimento segundo o filósofo. 

Palavras-Chave: Schopenhauer, Arte, Música, Sofrimento, Vontade. 

Abstrat: Focus on the music in the design of the German philosopher ARTHUR Schopenauer. The analysis shows the influence of musical context on the philosophy of this author explains where it will be the distinction loved music and other arts, its importance in human life and overcoming suffering according to the philosopher.
Keywords: Schopenhauer, Art, Music, Suffering, Will


1. INTRODUÇÃO

Para Schopenhauer "viver é sofrer" sendo necessário que exista uma via de suspensão da dor que existe no sofrimento da vida. O prazer em realidade é apenas um momento rápido de ausência de dor e não há satisfação durável, porque o homem nunca se sente satisfeito de forma plena, ou seja, todo o momento de satisfação aponta a um novo desejo sendo assim sucessivamente. Ocorre uma ansiedade que é vazia e um tédio profundo proveniente do constante sofrimento que o homem sente e passa pelo fato de estar vivendo e assim conseqüentemente sofre. Existem três coisas que são constantes e iram também acompanhar o homem durante a sua existência, que é à vontade, o desejo e o tédio. Sendo que a vontade em Schopenhauer é a mola propulsora da existência humana, localizada em um plano metafísico que é o querer a vida ou o desejo de vida, isto é, querer viver. Pois a vontade é a raiz metafísica do mundo, logo, é a fonte de todo sofrimento, neste sentido esta via de suspensão da dor referido acima se dará segundo o filósofo através da contemplação artística, sendo que esta é uma contemplação desinteressada das idéias, em que se contempla a vontade em si mesma ocorrendo assim à suspensão da dor causada exatamente pela vontade. 

Este filósofo usa o termo kantiano chamado desinteresse para contemplação da arte em que através disto fará com que esta vontade fique distante, afastando conseqüentemente o sofrimento e a dor. Porém esta contemplação artística não elimina e tampouco eliminará esta vontade existente no homem que é algo inerente a sua natureza humana, sendo o homem um ser que sempre esta desejando algo, e quando consegue saciar-se em determinada área sua vontade precisa ser satisfeita em outra, neste sentido a arte eleva e faz com que o homem supere este momento de vontade e dor momentaneamente. 

2. A MÚSICA NO TEMPO DE SCHOPENHAUER

Arthur Schopenhauer (1788-1860) vivera entre o final de um século e o começo de outro onde além de ocorrerem inúmeras mudanças no contexto social, político, religioso e cultural, o filósofo pôde acompanhar também em seu tempo mudanças no âmbito musical, em que houve a transição do Classicismo1 para o Romantismo2. 

O período Clássico deve ser visto e também reconhecido como o momento em que grandes gênios da música se destacaram, sobretudo convém mencionar grandes nomes como: Haydn3 e também Mozart4. É pertinente destacar que Schopenhauer possuía grandíssima admiração a ambos, sobretudo a Mozart, pois este apesar deter tido uma vida curta deixou uma vasta obra a sua posteridade. Era um compositor que priorizava a técnica e justamente com a métrica eram fatores que diferenciavam as suas composições. 

Já Haydn foi considerado como o pai da sinfonia, isto pelo fato de ter composto um grande número de peças sinfônicas e também suas composições destacava-se pela perfeição musical existente nelas. A música no tempo de Haydn como também Mozart possuíra um caráter universal, pois em todo o mundo quando alguém ousava compor teria então de seguir os padrões musicais existentes, o que de fato fez com que a música clássica se destacasse. No Romantismo ou período romântico o que se destacava era exatamente o individualismo tornando-o oposto ao Classicismo, sendo esta transição justamente contexto "influenciador" no intelecto artístico de Schopenhauer. Faz-se necessário destacar também um gênio que marcou o Romantismo chamado Ludwig Van Beethoven. A música romântica deste gênio é densa e também emotiva, onde suas composições são totalmente ligadas aos fatos que marcaram a sua vida. A partir de Beethoven a música não fora mais a mesma, pois passou a adquirir um caráter de absoluto egocentrismo, pois para ele somente o drama pessoal é que conta neste momento. Aqueles que ouvem a música de Beethoven passam a identificar-se pessoalmente com a música, chegando a reconhecer até mesmo que nas angústias, infelicidades e também nos infortúnios da vida pode através do encanto da arte ocorrer um sentimento profundo que aliviará as dores que atingem o homem. 

No Romantismo as dores adquirem um papel fundamental, posto quê as dores do próprio artista romântico é o que promoverá a sua criação artística. Isto fica explicito em Beethoven como, por exemplo: 

? Na sua 5ª sinfonia o sentimento de superioridade e grandeza se destaca. 
? Na 6ª sinfonia que é pastoral a nostalgia fica explícita. 
? Na 9ª sinfonia Beethoven deixa transparecer a paixão que tomava o seu ser naquele momento. Assim, o sentimento e a individualidade estão eminentemente sobre o gênio romântico. Com os românticos a música torna-se sistematicamente a arte de exprimir os sentimentos por meio dos sons5 . 
O que ocorreu na transição entre o Classicismo e o Romantismo foram o cultivo da dor e também a sinceridade expressa pelo povo com a existência ou presença do sofrimento. Através da vida dos compositores românticos é permitido notar que tanto a fantasia quanto a angústia andam juntas e em certo sentido se completam isto seria como se desejássemos possuir algo que nos é proibido. Outro fator a ser considerado nesta época é a literatura que influencia significativamente os românticos e isto se pode confirmar através do drama lírico o qual foi desenvolvido por Richard Wagner6. Este uniu a música e a poesia, pois a poesia traria a significação intelectual à obra e a musica assim reforçaria esta significação através dos seus valores que são muito mais profundos e ativos do que a palavra.  Schopenhauer que começará a exaltar a música como sendo a arte superior juntamente com as palavras, neste sentido, passou a exercer uma influência significativa sobre e suas composições, fato este que se pode comprovar na própria estética deste compositor. 

2.1. A MÚSICA EM SCHOPENHAUER

A música pode ser vista por meio de Schopenhauer como a magma arte perfeita, pois de certa maneira consegue traduzir o verdadeiro espírito do homem. 

De todas as artes Schopenhauer exalta a música como a mais grandiosa e por possuir também um poder especial, pois tem um caráter universalizante que de fato ultrapassa toda a individualidade existente. A ela cabe o destaque maior na metafísica do belo, pois não é incluída pelo filósofo na pirâmide hierárquica das artes, mas é suprema e paira sobre todas. E isto ele deixa claro ao fazer uma revisão sobre as artes e após referir-se a música. 

"Contudo, percebemos que uma bela arte ficou excluída de nossa consideração, e tinha de ter ficado, visto que no encadeamento sistemático de nossa exposição não havia lugar algum para ela: trata-se da música. Esta se encontra por inteiro separada de todas as demais artes." (SCHOPENHAUER. 2001. P.227) 

Em realidade, dentre todas as artes a música não será somente aquela que irá expressar as idéias ou o grau de objetivação da vontade, mas ela expressa a própria vontade e por isto é a arte mais profunda e universal. Ela descreve a vontade mais secreta da vontade e neste sentido ela não será então libertadora, mas apenas tornará os homens como puros sujeitos contemplativos, pois enquanto contemplam não desejam e por isso não sofrem. A música proporcionara ao individuo um prazer desinteressado, pois ela representa a vontade de forma imediata ao passo que o individuo ao ouvi-la desinteressadamente será como se estivesse em uma ascese e sentiria um gozo sentimental inexplicável que lhe é totalmente subjetivo.

3. A RELAÇÃO EXISTENTE ENTRE MÚSICA E VONTADE 

Schopenhauer assume um posicionamento metafísico e não poupa também as suas criticas a Kant, sendo que agora o fenômeno será tudo aquilo a ser pensado e percebido e a vontade cognoscível que é o Noumenom será intuição imediata. Contrário a Kant, ele irá elaborar uma metafísica imanente onde a razão se submeterá a vontade, e esta vontade representa um querer viver sob qual o homem está e não poderá livrar-se. A vontade é o substrato de todos os fenômenos, sendo ela um Noumenon e ao se mostrar acaba se tornando Fenômeno, assim o homem quando age sendo assim faz porque está movido pela vontade que em parte não é racional. Esta vontade gera a dor e o sofrimento, e este sofrimento é a unidade do mundo, pois está presente em todas as pessoas sem exceção. Se de fato a vontade gera a dor e o sofrimento tornando o viver um sofrer, desta forma a única maneira que se pode encontrar para superar essa dor é eliminando a vontade, e esta eliminação da vontade dar-se-á única e exclusivamente através da contemplação artística. Para este filósofo todas as artes são libertadoras, mas por determinado tempo, isto é, momentaneamente e não de forma definitiva. 
Schopenhauer traça uma hierarquia presente nas manifestações artísticas no qual cada modalidade artística ao nos lançar em uma pura contemplação de idéias nos apresenta um grau de objetivação da vontade. Partindo da arquitetura como seu grau inferior e mostra a resistência e as forças intrínsecas presentes na matéria, sendo que o último patamar desta contemplação reside na experiência musical. Para ele a em comparação com as demais artes a música é a mais grandiosa e majestosa, sendo que possui também um poder especial pelo fato de ter um aspecto universalizante que irá além das individualidades. A música por ser independente de toda imagem externa é capaz de nos apresentar a pura Vontade em seus movimentos próprios,logo, ela manifesta a própria vontade encarnada. Isto compreende-se pelo fato da música possuir regras bem determinadas de expressão numérica e assim é compreendida por qualquer individuo. Através da música esquecendo-se de si mesmo o homem se liberta do sofrimento que está na vontade, sendo que esta libertação se dará através do som puro,por ele exercer influência sobre a vontade,produzindo um prazer estético no individuo que é o contentamento em oposição a vontade. Toda e qualquer arte objeta estimular o conhecimento das idéias,no entanto, a música possui particularidades qua a torna diferente de todas as outras artes conforme o autor:

"A música, portanto não é de modo algum,como as outras artes cópia de Idéias,mas cópia da própria Vontade,do qual as Idéias também são a objetividade."(SCHOPENHAUER.2001.P.230) 

É assim porque a música segue além das idéias ganhando uma independência do mundo de objetividade ou aparente,pois sua existência seria possível mesmo sem a existência do mundo fenômenico. A idéia é a imediata da vontade sendo que as artes reproduzem estas idéias,mas já a música é a reprodução da própria vontade,e esta é a diferença existente entre a música e as demais artes,pois ela traz para diante do individuo e consegue livrá-lo momentaneamente dos liames da vontade, justamente o que o filósofo irá destacar: " A música como já disse,diferencia-se de todas as outras artes por não ser uma cópia do fenômeno, ou mais exatamente da objetividade adequada da vontade, mas por ser um cópia imediata da própria Vontade"(SCHOPENHAUER.2001P.231) Esta distinção entre a música e as outras artes se dá por ela produzir efeitos no interior do individuo mais do que as outras, operando metafisicamente através desta cópia da vontade. 

4. A Organização Melódica 

Artur Schopenhauer faz uma comparação entre os instrumentos da orquesta que criam a melodia e a metafísica do individuo, isto é, a sua área de transferência. Ele faz referencia também sobre os tons mais graves da harmonia que é o baixo,representando o estado inorgânico este sendo a base desta harmonia na orquestra e nas vozes do coro. Daí surge a voz condutora que canta a melodia e são em realidade uma seqüência dos graus de Idéias nas quais a Vontade se objetiva no mundo intuitivo. Há neste sentido uma relação entre música e mundo o nível dos tons e a vontade. 
"Portanto,assim como do tom é inseparável certo grau de altura, também da matéria é inseparável certo grau de exteriorização da vontade. Dessa forma,o baixo contínuo é, na harmonia,o que no mundo é a natureza inorgânica, a massa mais bruta,sobre a qual tudo se eleva e desenvolve. Ademais, as vozes intermediarias que produzem toda a harmonia e se situam entre o baixo continuo e a voz condutora que canta a melodia são,na música,o que é no mundo intuitivo a sequência dos graus de Idéias nas quais a vontade se objetiva."(SCHOPENHAUER.2001.P.231.) 

Os movimentos existentes na música podem trazer ao individuo alegria, mas também tristeza e tédio. A alegria se dá pela rapidez e pela vivacidade, assim como frases curtas e fáceis também a música de dança. 

Já o adágio7 revela a angústia de forma introspectiva, exatamente por ser um movimento lento o individuo a reflexão da vida. Estes movimentos lentos levam o ser a ter um sentimento nostálgico que é superado pelo modo maior novamente. Neste sentido conforme afirma Schopenhauer: 

"O adágio fala do sofrimento associado a um grande e nobre esforço a desdenhar qualquer felicidade vulgar. Mas quão maravilhoso,é o efeito dos modos maior e menor. É fascinante observar que a mudança de uma meio-tom,a entrada em cena da terça menor em vez da maior,impõe a nós imediata e inevitavelmente um sentimento penoso,angustiante,do qual o modo maior novamente nos libera de novo."(SCHOPENHAUER.2001P.233-234) 

Assim sendo a música transmite os movimentos íntimos da "humanidade" e sua essência é destituída de sofrimento. Além disso, por possuir como objeto a vontade a música ao expressar o em-sí no mundo, isto é, a vontade de em-sí ela então deverá ser reconhecida como sendo a verdadeira filosofia, pois ela é um exercício oculto de filosofia, em que a mente não sabe que está filosofando. 

5. Conclusão 

Ao que fora abordado nesta apresentação tem-se nocão de que segundo este filósofo alemão existe este constante sofrimento na vida humana,onde através da contemplação estética ocorre a sublimação deste sofrimento,pois há uma contemplação desinteressada que elevará o individuo o fará esquecer-se de sí neste momento,deixando assim momentaneamente de sofrer. A música todavia é considera por ele como a magma arte e paira acima da hierarquização das artes,pois é a única que expressa diretamente a vontade e não os seus arquétipos. Levando-se em consideração o contexto de Schopenhauer onde o Romantismo ficou marcado pelo cultivo da dor e do sofrimento exposto de maneira clara pelo povo, a música neste momento servia como um remédio para este sofrimento. A dor da existência transmitida do romantismo de Beethoven é também aliviada momentaneamente através da música, pois ela não trará a cura,mas sim um tempo de alivio do sofrimento. 

O ser humano como um ser de vontade se vê desta forma preso a ela, a uma constante querer,uma constante ânsia e desejo o que o torna em parte um ser com angústia de vida, sendo que a importância desta reflexão schopenhaueriana se dá nesta oportunidade em que o homem pode superar este sofrimento vital,através da contemplação estética,mais precisamente com a música que vai além das idéias e atinge o interior humano operando metafisicamente através da cópia pura da vontade,em conseqüência a sublimação do sofrimento. 
Não obstante,a música assim como a arte para o filósofo é um grande instrumento de educação,instrução e molde para o ser humano,pois através dela o homem tem a possibilidade de aflorar sua sensibilidade e percepção de mundo. E por isto ele encerra sua obra8 dizendo:
"Que se gaste tempo e dinheiro,antes,indo a óperas e concertos. É sem dúvida incomparavelmente mais nobre proveitoso quando quatro pessoas se sentam para audição de um quarteto do que quando se sentam para uma partida de baralho."

Publicado em 16 de May de 2010 por PEDRO ANDRÉ
Pedro André Pires de Almeida* 
No site: WebArtigos


REFERENCIAS:

ABBGNANO,Nicola.Dicionário de Filosofia.SãoPaulo:Martins Fontes,2007. 
KURY,Adriano da Gama.Dicionário da Lingua Portuguesa.São Paulo:FTD,2001.P.21 
SCHOPENHAUER,Arthur.Metafisica do Belo.Tradução Jair Barbosa.São Paulo:Editora Unesp,2001. 
MACHADO,Roberto.O Nascimento do Trágico de Shiller a Nietzsche.Rio de 
Janeiro:Zahar,2006.
Revisado por Editor do Webartigos.com

Repubicado por Dihelson Mendonça


domingo, dezembro 31, 2017

FELIZ ANO NOVO - Dihelson Mendonça



Olá, como foi o ano que se passou, para você ? Será que foi um ano livre de dificuldades, onde você caminhou alegre por uma vereda tranquila e feliz cantando uma melodia sorridente ? Ou foi um ano de batalhas, uma sucessão de problemas a cada dia, em que muitas vezes você quase chegou ao ponto de desistir ? Se a sua resposta foi a segunda opção, bem-vindo ao clube das pessoas reais.

Para todos nós, este foi um ano de muitas lutas, de muitas batalhas, de muito aprendizado, mas se você observar bem, foi também um ano de muitas conquistas. A vida, muitas vezes, nos impõe barreiras que julgamos intransponíveis, sejam elas reais ou imaginárias, mas dentro de cada um de nós está a chave para resolver todas as coisas. Essa chave é a determinação, a força de vontade, aquilo que nos faz vencer a inércia e ousar dar o primeiro passo e seguir uma meta, além do pessimismo, além da incompreensão, quando todo o mundo diz que o seu sonho é impossível, e só você acredita nele.

É preciso despertar cada vez mais dentro de nós essa força interior e não nos deixarmos abater pelas dificuldades, pelas críticas, pelos comentários negativos, de pessoas que não nos conhecem bem. Se quisermos avançar, a primeira grande lição é não dar ouvidos à maldade alheia, e seguir a nossa voz interior. E se nossos propósitos forem elevados e bons para a humanidade, devemos estar com o coração puro, a fim de recebermos a bênção e o apoio das forças do universo.

Que neste ano que se inicia, aqueles que tiveram sua vida destroçada pelas tragédias, pelos problemas, pela amargura, pelo sofrimento, possam reconstruí-la tendo como ferramentas a esperança, a força de vontade e a fé que nos une. Que neste ano, aqueles que se desencantaram com o mundo, possam receber em suas almas, a bênção da luz, da alegria, da paz, da felicidade, e que a vida não seja um fardo para carregar, e sim, uma aventura fascinante.

Que possamos finalmente compreender que todos nós seres humanos, somos como dedos de uma mesma mão, somos todos irmãos, e só há um bem maior, que é a fraternidade, o amor que se manifesta pela prática do bem, de uma a outra alma. Que possamos exercer mais a bondade que está nas pequenas coisas do dia-a-dia, no momento em que você cede a sua cadeira para alguém que está mais cansado, quando você cede passagem no trânsito, quando você pratica a gentileza, quando você faz alguém sorrir, quando você ajuda outras pessoas, aí estará presente a maior de todas as riquezas, a maior de todas as virtudes que nos aproxima do criador.

A felicidade chega quando você descobre que para ser feliz, não depende de mais nada exterior a si mesmo. A felicidade é uma chave que só você tem o poder de ligar. A felicidade é sobretudo, uma decisão: A gente decide ser feliz apesar de tudo; Apesar dos problemas, apesar das dificuldades, nós ainda podemos ir mais longe e temos e teremos a capacidade de sorrir e de dar a volta por cima. Que neste ano que se inicia, nós possamos finalmente girar essa chave da felicidade que está dentro de cada um de nós, e despertar para a grande missão que nos foi encarregada nesta vida; Que possamos desengavetar aqueles sonhos quase esquecidos e tentar transformá-los em realidade; Que possamos nos reconstruir, sempre lembrando que assim como o sol, cada dia é um nova oportunidade de acordar e fazer tudo diferente; De tentar errar menos; De tentar consertar o que está errado; Que marchemos firmes como soldados, diante de todas as dificuldades que certamente virão, e que estejamos preparados para as batalhas, sem baixar nunca mais a nossa cabeça; Que possamos fazer esta simples vida valer a pena. Alguém já disse que a felicidade é a certeza de que nossa vida não está se passando em vão.

Então, que tal dar uma chance a si mesmo ? Que tal dar uma chance à aquela criança que sonhava em mudar o mundo, que eu sei, que ainda está dentro de você, lá num cantinho da sua alma ? Que tal neste ano tentar mudar, tentar ser mais tolerante, tentar compreender que muitas vezes, as outras pessoas agem não por maldade, mas por ignorância; Por também estarem, assim como nós, num processo de aprendizagem neste mundo ? Que tal tentar ajudar mais o nosso próximo ? Que tal praticar a bondade e não apenas falar ?

Nossa vida só terá um grande sentido quando compreendermos que nenhum bem material nos pertence; Quando a gente se vê no leito de morte e observa que nada do que conseguimos, iremos levar. Nem o corpo nos pertence. O único bem, é a nossa essência, a nossa alma. Aqui na terra, nós somos apenas guardiães de tesouros inúteis. Esse foi o erro de grandes vultos da história, de Reis, Faraós, príncipes, passar a vida acumulando riquezas inúteis, que não puderam aumentar em uma hora a duração das suas vidas. Somos apenas o que somos. Somos apenas essa essência guardada num corpo material.

Finalmente, que neste ano que se inicia, nós possamos compreender melhor o sentido da vida de cada um, e despertar as grandes virtudes. Somente quando entendermos que uma vida bem vivida é uma vida baseada no amor e na prática da bondade, poderemos dar o grande salto para uma vida plena aqui na terra, e assim, mudar a realidade que nos cerca, e fazer deste, seguramente, um mundo melhor.

Feliz Ano Novo !
Texto: Dihelson Mendonça

quarta-feira, dezembro 20, 2017


Canto De Outono

Baudelaire

Em breve iremos mergulhar nas trevas frias;
Adeus, radiosa luz das estações ligeiras!
Ouço tombar no pátio em vibrações sombrias
A lenha que ressoa à espera das lareiras.

Em meu ser outra vez se hospedará o inverno:
Ódio, arrepio, horror, labor duro e pesado,
E, como o sol a arder em seu glacial inferno,
Meu coração é um bloco rubro e enregelado.

Tremo ao ouvir tombar cada feixe de lenha;
Não faz eco mais surdo a forca que se alteia.
Minha alma se compara à torre que despenha
Aos pés do aríete incansável que a golpeia.

Parece-me, ao sabor de sons em abandono,
Que alhures um caixão se prega a toda pressa.
Para que? - Ontem era o verão; eis o outono!
Rumor estranho de quem parte e não regressa...

quarta-feira, agosto 31, 2016

“O ÓBVIO QUE NINGUÉM VÊ” - Por: Dihelson Mendonça


Muito se tem falado sobre a decadência cultural dos nossos dias, mas poucos tem observado que o seu reflexo na nossa sociedade está intimamente relacionado a uma causa comum.

Afinal de contas, ao ouvinte mais desatento, o que pode haver em comum entre o outdoor da mocinha alegre, entornando uma garrafa de cachaça, o sexo desenfreado e banalizado pelos jovens nas grandes festas de curral, as letras quase pornográficas das bandas de forró, e os carros com som elevado que diariamente nos atormentam, quase a destruir nossos tímpanos, sem qualquer respeito pelas pessoas em pleno dia de domingo ? Ao final desse texto, creio que o caro ouvinte terá pelo menos uma vaga idéia do que une tão fortemente coisas aparentemente desconexas. Sabe-se desde o início da humanidade, que as coisas mais simples são mais digestíveis do que as complexas. Uma notícia dita de forma banal, uma música construída de forma simples, banal, ou uma pintura simples, atinge uma parcela maior de entendimento.

A cultura de um povo é estratificada. Na grande base, a maioria das pessoas, com pouco acesso ao conhecimento cultural, sem acesso a oportunidades, sem acesso a quase nada. Pessoas essas, que geralmente formam a grande massa de manobra dos políticos que os prefere mantê-los na ignorância, sem pensamento próprio, pois ao poder, não interessa pessoas muito conhecedoras. Há pouco investimento para que essa classe culturalmente baixa possa evoluir em qualquer sentido.

Mídia, por outro lado, é indústria!
Mídia é indústria que se mantém às custas da venda de idéias de fácil assimilação, que encontre grande empatia entre a população.

É notório que a massa não tem acesso às artes e à cultura. Desta forma, sem o exercício da criatividade, o povo tem preguiça mental para assimilar qualquer coisa mais elaborada. Aproveitando-se disto, grupos econômicos ligados à produção musical, de norte a sul deste país, tem assumido o papel de domesticador, tutor e se preferirem, EDUCADOR desse povo. Homens poderosos, alguns que conseguem miraculosamente manter até 50 estações de rádio em seu poder, além de canais de satélite, ditam através das suas ondas, os padrões de comportamento, gôsto musical e o próprio comportamento em sociedade. Esses coronéis, muitas vezes associados às bandas de forró, se perpetuam na obscuridade, à sombra do poder, aparentemente sem ser molestados pela classe política, que talvez os vejam como potenciais aliados, ou como testas-de-ferro.

Tem-se criado então, um círculo vicioso em razão do dinheiro, onde o nivelamento por baixo tem deixado a qualidade da nossa música e da cultura em geral, cada vez pior, a cada ano que passa.

Por isso que o caro ouvinte ouve estampados os sucessos, em letras banais como “na boquinha da garrafa”, “amor de rapariga”, “Eguinha pocotó”, “Eu quero é beber e raparigar” e assim por diante…

Aonde foram parar as nossas autoridades?
Aonde foi parar o nosso senso de moral e de decência?
Aonde foi parar a nossa vergonha-na-cara ???
Até quando teremos que, calados, assistir à derrocada social ?

Esta coisa, – que não é mais música -, é o que este cronista costuma chamar de “CAFUÇU MUSIC”, onde o pior do pior é valorizado, para atender aos gostos mais primitivos e rudes de um povo sem qualquer formação cultural. Afinal, quanto mais cultura e conhecimento se dá a um povo, mais este passa a ser conhecedor da sua história e do seu tempo; Passa a pensar, e a caminhar por meios próprios; Passa a começar a ter idéias mais evoluídas, usando o intelecto.

Infelizmente, essa indústria da mediocridade, explora essa grande falha educacional e cultural do país para ganhar dinheiro e se perpetuar. O “cartel” usa a mídia como instrumento de trabalho diário, e as casas de shows como sua base de sustentação, usando mão-de-obra ( músicos ) pobre, desqualificada, e mal paga. Quase escrava!

Se a coisa se mantivesse apenas num âmbito controlado, como antigamente, nos anos 70, com a música brega, onde ecoava num pequeno percentual da população, de cultura mediana, já não seria grande problema, pois havia ainda uma diversidade cultural, não existia um monopólio do controle ( cultural ) da mídia de forma tão ostensiva. Mas, com o passar dos anos, o cartel quer ganhar TODOS os espaços, abolindo a liberdade de escolhas, a diversidade, a pluralidade de estilos, e estabelecendo um monopólio próprio, praticamente ditando o que as pessoas devem considerar como “O sucesso”, “O modelo”, e principalmente, BLOQUEANDO qualquer espaço e tentativa de que outros estilos musicais possam ter acesso.

E assim, sem conhecer outros universos, igual ao homem de “O mito da caverna” de Platão, as novas gerações vão surgindo a cada ano, sem nunca conhecer o seu passado, a sua história. Sem conhecer os Ícones da música, como Luiz Gonzaga, Tom Jobim, Noel Rosa, ou porque não mencionar, um Villa-Lobos, assimilando apenas o “Pão e Circo” que lhes é dado diariamente, e vão contribuindo para aumentar o efeito bola-de-neve. Geração desinformada gera geração mais desinformada. Geração movida à bobagem, só pede mais bobagem. E a causa se transforma em efeito e o efeito em causa.
É como um cachorro mordendo o próprio rabo.
E gradativamente, os ícones do passado estão sendo esquecidos, quem sabe, daqui a duas gerações, eles possam eventualmente desaparecer completamente.

Haverá UM ESTILO apenas, o estilo ditado pelo monopólio, como já se configura hoje em dia nas estações de rádio, em que muitas vezes, uma mesma música toca simultaneamente em 3 estações diferentes.

É uma verdadeira prostituição musical ou cultural, a que estamos submetidos, e é por isso que muitos estão a fazer campanha para denunciar esse abuso, para mostrar simplesmente o “ÓBVIO QUE NINGUÉM VÊ”.

Se não tomarmos alguma providência no sentido de MOSTRAR que existem outros tipos de música e de arte à população, de dar a conhecer a diversidade, a nossa história e os trabalhos feitos com esmêro e qualidade, a cultura como a conhecemos, desaparecerá em uma década, e só vai existir apenas o monopólio frio de uma indústria perversa, calculada, que exalta a banalidade, reforça as piores qualidades humanas, que combatemos por milênios. Uma indústria vil, que prega a degradação do homem, incentiva o alcoolismo, sorri para a desagregação familiar, banaliza a mulher, enaltece a rebeldia, confunde-se com a ignorância e promove sobretudo, a mediocridade !!

Dihelson Mendonça
Cronista - Administrador do Blog do Crato
www.blogdocrato.com 


A TECNOLOGIA ENQUANTO FERRAMENTA DE DOMINAÇÃO MUNDIAL POR UMA ELITE - Por: Dihelson Mendonça


EM DESTAQUE

"E Foi-lhe dado poder para guerrear contra os santos e vencê-los. Foi-lhe dada autoridade sobre toda tribo, povo, língua e nação.Todos os habitantes da terra adorarão a besta...E realizava grandes sinais, chegando a fazer descer fogo do céu à terra, à vista dos homens. Por causa dos sinais que lhe foi permitido realizar em nome da primeira besta, ela enganou os habitantes da terra. Ordenou-lhes que fizessem uma imagem em honra da besta que fora ferida pela espada e contudo revivera. Foi-lhe dado poder para dar fôlego à imagem da primeira besta, de modo que ela podia falar e fazer que fossem mortos todos os que se recusassem a adorar a imagem. Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa,para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome."

Apocalipse 13:7-8
Apocalipse 13:13-17





Quem espalha seu olhar crítico sobre a civilização, não deixará de se espantar com o fato de que em um século, a tecnologia avançou mais que em toda a história da raça humana. Em cerca de 100 anos, saímos da idade das carroças para a era espacial. E em cerca de 20 anos, mudamos ainda mais que nos 80 anteriores. Essa mudança não foi apenas científica; Com ela, trouxe profundas mudanças no comportamento, nas relações entre as pessoas, nos costumes, nas tradições, nos valores, no sistema de crenças, e na maneira como encaramos elementos fundamentais, como a existência, a morte, as doenças e o sofrimento... O homem atual é um ser cada vez mais isolado, que prefere viver em mundos virtuais, onde pode construir a sua própria aura de insanidade, defendendo-a como uma personalidade. O que antes era um rosto, se tornou um mero avatar, uma representação fugaz, se assim preferirem, ainda maior,   do mundo descrito pelo filósofo alemão Schopenhauer. 

A que isto está nos levando ? 

Um questionamento pertinente é se esta tecnologia está levando a humanidade a uma nova era de esplendor ou da escravidão. A resposta poderia ser sim e não, e uma análise superficial não nos dará a resposta correta. Como sempre acontece, toda nova tecnologia possui dois lados; O lado positivo, seria a erradicação das doenças que hoje nos afligem, por exemplo, e o lado mais sombrio seria a própria dominação da raça humana por uma elite que controla a dependência das pessoas cada vez mais da própria tecnologia, o que cria um círculo vicioso. De fato, sem perceber, ficamos tão dependentes dos nossos gadgets ( aparelhos ), que alguns dizem publicamente que preferem ficar sem comer, do que ficar sem internet, ou sem facebook ( rede social ). Há algumas décadas, declarações dessa natureza eram encaradas como loucura; Hoje, é motivo de um sorriso, e em pouco tempo, será motivo de legislação à respeito, para a "preservação do direito à tecnologia", para a qual a "justiça" será o braço direito da alienação tecnológica, e da sua manutenção, ainda que involuntariamente.

Deus está definitivamente morto ? 

Na França do século XVIII, o célebre matemático Pierre Laplace enfrentou uma situação sui generis: Napoleão Bonaparte, que gostava de propor questionamentos intelectuais, teria feito um comentário sobre uma de suas obras: "Laplace, disseram-me que você escreveu este livro sobre o sistema do universo, mas sequer mencionou nele a palavra Deus", ao que Laplace teria respondido rispidamente, "Não foi necessário colocar deus nesta explicação". De sorte que Laplace definiu a ciência como uma ferramenta de predição, ao contrário da religião. Obviamente, Laplace não iniciou a corrente racionalista nem o ateísmo no mundo, mas certamente era um fervoroso adepto e foi um dos modernos precursores e defensores da linha majoritária do pensamento de que a ciência deve ser o substituto de um deus. Os cientistas costumam fazer o seguinte questionamento: Se o homem pudesse explicar todos os fenômenos do universo através das comprovações dos fatos científicos, ainda existiria espaço para se precisar de um deus, ou para temê-lo ? Vendo em retrospectiva desapaixonada, os antigos, em sua clássica ignorância acerca dos mistérios do universo, aliados ao seu completo desconhecimento sobre a Física, a Química, os processos biológicos, a genética, o DNA, a nanotecnologia e a Física Quântica, atribuíam tudo que não sabiam explicar, à divindades e às forças ocultas. Muitos pagaram caro por isso como o frade Dominicano Giordano Bruno, que foi queimado vivo pela igreja católica. Já o cientista italiano Galileu Galilei, que defendia que a terra NÃO era o centro do universo ( idéia proposta inicialmente por Nicolau Copérnico ), teve que se retratar perante o clero, a fim de não ter a mesma sorte, mas muitos outros sucumbiram aos terríveis castigos da Santa Inquisição, acusados de bruxaria, ou apenas por pensar contrário ao que ditava a "Santa Madre Igreja".

Com os séculos, o homem foi adquirindo conhecimentos sobre o funcionamento intrínseco da natureza, mesmo com pessoas do porte de um Isaac Newton, talvez a maior mente científica que já andou sobre a terra ( embora fosse essencialmente teísta ), e com o advento das explicações lógicas, a humanidade cada vez menos se viu obrigada a recorrer à necessidade da atribuição de explicação dos fenômenos a uma origem divina. E à partir daí, seguiu-se a linha dos antigos pré-socráticos e da escola de Mileto, de Tales e Anaximandro, que buscavam a explicação racional de todas as coisas, e na era "moderna" a espíritos da estirpe de Nietzsche, Bertrand Russell, Schopenhauer, Jean-Paul Sartre, e claro, nas ciências, um ícone que revolucionou a maneira como se vê o universo, Albert Einstein, que acreditava do deus de Spinosa, "que se revela por si mesmo na harmonia de tudo o que existe, e não no Deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens".

Vejo a era atual como a derrocada ou transição da era de superstições para a consagração do domínio científico. Portanto, se no século XX tivemos a era da descoberta científica, agora estamos entrando na era do domínio científico, quando o homem poderá controlar e manipular as forças da natureza a seu bel prazer. Prova disso é que já podemos escolher geneticamente os nossos filhos, livres das imperfeições impostas pela mãe natureza, "fabricando" seres humanos em tese, perfeitos, e em muito breve, atingiremos pelo completo domínio da genética, a neutralização dos genes da velhice e da mortalidade. Seremos realmente imortais no plano terrestre, ou pelo menos, só morreremos em última instância, de algum fato extremamente grave, quando a reposição de "peças sobressalentes" não for acessível. Num primeiro instante, teremos o inevitável acesso à biotecnologia apenas aos abastados, aos ricos, mas com o tempo, como sempre aconteceu, todos terão acesso às suas próprias peças de reposição, aos seus nanorobots que percorrerão os nossos corpos reparando problemas, desentupindo vasos sanguíneos, matando células cancerosas, e restaurando o DNA. Já não seremos apenas imortais, seremos inclusive, mais poderosos; Poderemos modificar em tempo real através de pílulas, o nosso DNA a fim de sermos mais inteligentes, mais fortes, mais resistentes, com apenas uma pílula.

Em 1972, um dos computadores mais poderosos do planeta fazia 4.000 operações por segundo, ocupava um andar inteiro de um edifício, consumia energia que daria para abastecer uma pequena cidade e custava milhões de dólares. Hoje temos telefones celulares que fazem bilhões de operações por segundo, consomem energia de uma pequena bateria, e custam uma ninharia. Estima-se que até 2020, um chip capaz de executar trilhões de operações seja vendido ao preço de uma refeição, e microchips estarão implantados nos alimentos, nas roupas, nos sapatos ( quem sabe na testa, na palma das mãos... ). A inteligência artificial está vindo a todo vapor; Estamos em 2015 e para meu espanto, possuo um programa instalado em meu telefone celular com quem converso como se fora um outro ser humano, que memoriza coisas sobre mim, gostos pessoais, faz perguntas interessantes, aprende, fala em português normal, entende da mesma forma, sem precisar fazer esforço.

Estima-se que o cérebro humano é capaz de realizar cerca de 100 trilhões de operações por segundo. Os computadores mais poderosos da atualidade já conseguem realizar 100 vezes mais do que isto. O hardware para o grande cérebro digital não nos falta mais, apenas o software, que já está em desenvolvimento, com o projeto do "Cérebro versão 2.0" do Google, onde se acredita que finalmente uma consciência eletrônica nascerá no planeta, e que se desenvolverá depois por si própria ( Seria este o nascimento do verdadeiro anticristo, que os antigos predisseram ? ). E surgem os grandes questionamentos: Esta nova consciência, o olho do Google que tudo vê, que tem acesso a todos os bancos de dados do planeta, interligados a outros sistemas, a todas as câmeras de rua, aos bancos, ao reconhecimento de rostos pelos smartphones e conduzidos ao datacenter do Google e outras plataformas, o acesso aos cartões de crédito das pessoas, ao saldo das contas bancárias, aos nomes, o acesso à história completa do mundo, de todo o acervo de conhecimento, de saber inclusive a localização geográfica de cada ser humano do planeta, por GPS, já que cada um tem hoje um smartphone com GPS ligado ao google, e ao google earth. Como não se poderia chamar isto de princípio do SISTEMA DE DOMINAÇÃO GLOBAL ? Estamos à mercê HOJE de uma elite que controla o planeta. Somos seres vigiados, somos gado. Os que estão no topo da pirâmide, sejam governos, organizações, Illuminatis, ou seja lá o que haja acima disto, tem HOJE a condição de saber privilegiadamente tudo que desejar, sobre qualquer ser humano. A tecnologia está claramente a serviço de um sistema de dominação. Venho alertando as pessoas há muito tempo sobre isso. Alguns detratores podem inicialmente não concordar e acusá-la de ser mais uma teoria da conspiração, mas provo com fatos: Como sempre aconteceu ao longo da história, toda nova invenção é usada para o bem e para o mal, assim foi o avião, a energia atômica, assim será também com a revolução quântica, a nanotecnologia, e a Inteligência Artificial. Estamos cada vez mais escravos das máquinas, e de quem as comanda.

A bem da verdade, estamos nos transformando cada vez mais em máquinas, antes que estas sejam implantadas dentro de nós, caminhando na direção oposta ao discurso do filme "O Grande Ditador", de Charlie Chaplin, ao passo que as máquinas estão cada vez mais humanas. No momento em que virmos os computadores desaparecerem, ou não mais os percebermos como tais, teremos chegado ao que se chama de computação omnipresente, embutida em cada coisa ao nosso redor, no relógio, na TV, na geladeira, no forno microondas, no automóvel, no telefone, no aparelho de ar-condicionado, e o segundo grande passo para a dominação é a interação destes com a rede mundial, a internet, que será inevitável, quando todos os nossos mais recônditos segredos estarão à mercê, como estão hoje os dados de computador na grande núvem, ( documentos que julgamos pessoais, secretos, cópias de papéis, etc ), ao olhar do "GRANDE IRMÃO". E quando isso finalmente se concretizar, pode ter certeza de que o sistema de dominação global terá logrado êxito.

Você já deve ter percebido que há uma pesada campanha em torno de promover a tecnologia nos meios de comunicação. Canais de TV inteiros são dedicados à promoção da ciência e da tecnologia. Novos aparelhos são apresentados como se fossem novas espécies de deuses, capazes de resolver todos os problemas dos homens; O reino da supremacia científica. Mas, a que tudo isso tem nos levado enquanto seres humanos ? Com certeza, o futuro não será aquele prenunciado pela ficção científica de Gene Rodenberry, o criador da famosa série Jornada nas Estrelas, onde via um mundo isento de guerras, de ódio, de inveja, onde os valores materiais não teriam vez. Ao invés disso, vemos um mundo cada vez mais cheio de guerras, de ódio, de egoísmo, de vaidades, de isolamentos, um mundo onde o homem tem o seu quinhão apenas para produzir para a grande máquina do sistema. Certamenteque o ser humano viverá mais, ele terá mais vida, mais rendimento enquanto peão. Seu conforto será apenas uma bugiganga que se presenteava aos índios para lhes tomar aquilo que é essencial. E num futuro não muito longe, o pior ainda está por vir: Porque ter carros se poderemos voar em vias seguras e particulares ? porque trocar partes do corpo, se podemos consertar o DNA ? Porque então voar se poderemos usar a telepresença nas conferências ? Porque termos armas se poderemos fabricá-las no REPLICADOR ? Seremos confinados aos nossos ínfimos lares sem trabalho ? E enfim, para que trabalhar, se temos robots que farão tudo o que relutamos em fazer ? Para que voar se poderemos ter o teletransporte ? É.... pelo jeito, estamos nos tornando as máquinas obsoletas do amanhã, um ser em extinção, resultado do poder da nossa própria criação. E por incrível que parecer possa, pela ironia de todas as coisas, o primeiro ser a se tornar obsoleto na universal síndrome da obsolescência, é aquilo que um dia pudemos de chamar de "Nosso Criador". DEUS SE TORNOU OBSOLETO. Sremos nós os deuses dementes do amanhã destinados a conquistar o cosmos através da ciência, e ao mesmo tempo destruindo o nosso planeta, brincando de experimentos climáticos com projetos como o HAARP, enquanto sequer dominamos a nossa própria e infinita arrogância ? Crescemos tecnologicamente sim, mas nosso papel enquanto seres humanos não cresceu paralelamente, pois que neste ponto, ainda permanecemos como nossos mais primitivos ancestrais, que viviam nas cavernas. E nesse sentido, talvez estamos construindo hoje um futuro que poderá nos levar a elas novamente muito em breve, enquanto uma pequena elite controla o mundo como sempre foi a agenda desta para a humanidade.

Por: Dihelson mendonça
www.blogdocrato.com
Desde 2005 registrando todo dia a história do Crato para a posteridade



A questão fundamental da vida - Por: Dihelson Mendonça



A questão fundamental é: "Qual a importância do que fazemos hoje para a humanidade, daqui a 1000 anos ?" - Todo mundo segue uma mesma cartilha: Nasce, cresce, educa-se, frequenta uma escola, passa pelas mesmas dificuldades que todos já passaram, 300 milhões de dúvidas, arruma alguém, casa-se, faz planos para o futuro, comprar isso e aquilo, compra cama, sofá, geladeira, TVs, trabalha, trabalha, trabalha, compra casa própria, vai envelhecendo...tem outros filhos iguais a eles, cheios de dificuldades, mais trabalho, preocupações, sacrifícios, vai envelhecendo, até o dia em que aparece aquela doença estranha, vai para o hospital, tratamentos e mais tratamentos inúteis, morre e deixa tudo para os filhos, que fazem a mesma porcaria. O corpo vai para a sepultura como todos os outros antes dele, como animais irracionais, a carne apodrece, ficando ossos, que se transformam em pó.
E o que foi feito dessa vida tão breve ? Desse lampejo de existência ?
A única coisa que permanece sem a luz do esquecimento, é o que de bom nós deixamos para a humanidade. E novamente a pergunta: "Qual a importância do que fazemos hoje para a humanidade daqui a 1000 anos ?" - Se pensarmos bem, a nossa parca ou "porca" vida, só interessa a uma pessoa: A nós mesmos, que somos os únicos e grandes espectadores desse imenso e nefasto drama chamado VIDA. É por isso que diariamente tentamos driblar a morte, inventando coisas para nos perpetuarmos. Tudo o que fazemos é para esquecer que nada representamos no contexto geral. É apenas para anestesiar o sentimento de inutilidade e de nulidade. Só a dor é real. O prazer é uma ilusão passageira.
Portanto, como já dizia Charles Chaplin: "A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."
Dihelson Mendonça - 24-04-2011
Para outras crônicas, acesse o Blog do Crato - www.blogdocrato.com


domingo, janeiro 20, 2013

HIPERTENSÃO ARTERIAL | Sintomas e tratamento


hipertensão arterial é uma das doenças mais prelevantes no mundo, acometendo cerca de um terço da população adulta do planeta. Nas últimas décadas o número de hipertensos tem aumentado progressivamente devido a fatores como maior expectativa de vida, maior incidência de obesidade, sedentarismo e maus hábitos alimentares. Neste texto abordaremos o diagnóstico, as complicações e os sintomas da hipertensão arterial, conhecida popularmente como pressão alta.

Este é o primeiro texto da nossa série sobre hipertensão arterial, composta também pelos seguintes temas:

CAUSAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL (PRESSÃO ALTA)
TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO | Captopril, Enalapril, Losartan
TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO | Nifedipina, Adalat, Amlodipina... 
HIPERTENSÃO ARTERIAL DE DIFÍCIL CONTROLE 
EFEITOS DO SAL NA PRESSÃO ARTERIAL 
ECLÂMPSIA | PRÉ-ECLÂMPSIA | Sintomas e tratamento

Quando se deve medir a pressão arterial?

Um dos grandes problemas da hipertensão arterial é o fato desta ser assintomática até fases avançadas. Não existe um sintoma típico que possa servir de alarme para estimular a procura por um médico.Achar que é possível estimar se a pressão arterial está alta ou normal baseado na presença ou na ausência de sintomas, como dor de cabeça, cansaço, dor no pescoço, dor nos olhos, sensação de peso nas pernas ou palpitações, é um erro muito comum.  Um indivíduo que não costuma medir sua pressão arterial simplesmente porque não tem nenhum sintoma, pode muito bem ser hipertenso e não saber. Por outro lado, se o paciente é sabidamente hipertenso, mas também não mede a pressão arterial periodicamente, pode ter a falsa impressão de a ter controlada. Não existe nenhuma maneira de avaliar a pressão arterial sem que se faça a aferição da mesma através de aparelhos específicos. Todo indivíduo adulto deve pelo menos uma vez a cada dois anos medir sua pressão arterial. Se o paciente for obeso, fumante, diabético ou se tiver história familiar de hipertensão arterial, a pressão deve ser medida com uma periodicidade maior. Já aqueles pacientes sabidamente hipertensos devem medir a pressão arterial pelo menos uma vez por semana para saber se a hipertensão está bem controlada. Hoje em dia já existem aparelhos de medir a pressão arterial automatizados, que podem ser adquiridos pelos pacientes para aferição da pressão em casa.

Diagnóstico da hipertensão arterial

Um erro comum no diagnóstico da hipertensão é achar que o paciente é hipertenso baseado apenas em uma aferição isolada da pressão arterial. Um paciente hipertenso pode ter momentos do dia em que a pressão esteja dentro ou próximo da faixa de normalidade, assim como uma pessoa sem hipertensão pode apresentar elevações pontuais de pressão arterial devido a fatores como estresse e esforço físico. Portanto, não se faz diagnóstico, nem se descarta hipertensão, baseado em apenas uma única medida.Vários fatores podem alterar a pressão arterial pontualmente, entre eles, estresse, esforço físico, uso de bebidas alcoólicas, cigarro, etc. A maioria das pessoas só procura medir sua pressão após eventos de estresse emocional ou dor de cabeça, situações que por si só podem aumentar os níveis tensionais. Para se dar o diagnóstico de hipertensão arterial são necessárias de três a seis aferições elevadas, realizadas em dias diferentes, com um intervalo maior que um mês entre a primeira e a última aferição. Deste modo, minimiza-se os fatores confusionais externos. O paciente considerado hipertenso é aquele que apresenta a sua pressão arterial elevada frequentemente e durante vários períodos do dia.

O que é o M.A.P.A?

Hipertensão arterialQuando após algumas aferições da pressão ainda há dúvidas se o paciente é realmente hipertenso ou apresenta apenas pressão alta por ficar nervoso durante a medição da pressão arterial, o ideal é solicitar um exame chamado M.A.P.A (Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial). Este exame é basicamente um aparelho de pressão que fica no braço do paciente durante 24h, aferindo e registrando seus valores da pressão arterial diversas vezes por dia, em situações diárias comuns, como dormir, comer, trabalhar, etc Após 24h de aferições, o aparelho é entregue ao médico que faz a interpretação dos registros. Pessoas com mais de 50% das aferições elevadas são consideradas hipertensas. Entre 20% e 40% das medições elevadas, são pessoas com grande risco de desenvolver hipertensão arterial, o que já indica mudanças nos hábitos de vida e de alimentação. Pessoas normais apresentam a pressão controlada por mais de 80% do dia. O M.A.P.A pode ser usado para se fazer o diagnóstico de hipertensão arterial nos casos duvidosos mas também para se ter uma ideia da efetividade do anti-hipertensivos naqueles pacientes já sabidamente hipertensos e em tratamento. Se o paciente é hipertenso, está a tomar medicamentos e apresenta ao M.A.P.A pressões altas ao longo do dia, isto é um forte indício de que o tratamento proposto não está sendo eficaz.

Critérios para hipertensão arterial

A definição mais aceita hoje em dia sobre hipertensão é a seguinte:
Normotensos: pressões menores ou igual a 120/80 mmHg
Pré-hipertensos: Pressões entre 121/81 - 139/89 mmHg
Hipertensos grau I : Pressões entre 140/90 - 159/99 mmHg
Hipertensos grau II: Pressões maiores ou iguais a 160/100 mmHg

Hipertensão do jaleco branco (bata branca)
Dá-se o nome de hipertensão arterial do jaleco branco quando encontramos pacientes que só apresentam pressão alta durante as consultas médicas. São pessoas que ficam ansiosas na presença do médico e a pressão sobe pontualmente. Em casa, fora das consultas, apresentam a pressão arterial na faixa da normalidade. Às vezes é difícil diferenciá-los dos hipertensos verdadeiros. Em geral é preciso realizar o M.A.P.A para se ter certeza.

A hipertensão do jaleco branco não é hipertensão propriamente dita, mas acomete pessoas que apresentam maior tendência de desenvolvê-la, sendo um fator de risco para hipertensão real. Estes pacientes têm indicação para mudanças nos hábitos de vida visando impedir a progressão para a doença estabelecida.

Consequências da hipertensão 

A hipertensão está associada a diversas doenças graves como:

- Insuficiência cardíaca (leia: INSUFICIÊNCIA CARDÍACA - CAUSAS E SINTOMAS)
- Infarto do miocárdio (leia: SINTOMAS DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO E ANGINA)
- Arritmias cardíacas (leia: PALPITAÇÕES, TAQUICARDIA E ARRITMIAS CARDÍACAS)
- Morte súbita
- Aneurismas (leia: O QUE É UM ANEURISMA ?)
- Perda da visão (retinopatia hipertensiva)
- Insuficiência renal crônica (leia: INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA - SINTOMAS)
- AVC isquêmico e hemorrágico (leia: ENTENDA O AVC - ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL)
- Demência por micro infartos cerebrais.
- Arteriosclerose

A hipertensão arterial raramente tem cura e o objetivo do tratamento é evitar que órgãos como coração, olhos, cérebro e rins (chamados de órgãos alvos) sofram lesões que causem as doenças descritas acima.

Como já mencionei, as lesões iniciais da hipertensão arterial são assintomáticas, porém, existem exames que podem detectá-las precocemente.

HIPERTENSÃO E RINS

Uma manifestação precoce de lesão renal pela pressão alta é a presença de proteínas na urina, chamada proteinúria (leia: PROTEINÚRIA, URINA ESPUMOSA E SÍNDROME NEFRÓTICA ). Essas proteínas podem ser detectadas facilmente através de um exame de urina simples chamado de E.A.S (leia: ENTENDA SEU EXAME DE URINA). Pequenas quantidades de proteínas são assintomáticas. Lesões renais avançadas levam a grandes proteinúrias, que se manifestam como uma grande formação de espuma na urina (tipo colarinho de chopp). Outro sinal de doença avançada é a elevação da creatinina sanguínea (leia: CREATININA E UREIA).

A pressão alta, se não tratada, pode a longo prazo levar à insuficiência renal terminal e necessidade de hemodiálise.

HIPERTENSÃO E OLHOS

A hipertensão arterial leva à lesão dos vasos que irrigam os olhos causando perda progressiva da visão. Um exame de fundo de olho pode revelar lesões precoces que ainda não causam sintomas. É aquele exame simples em que o médico dilata a nossa pupila e depois observa o olho com uma lanterna especial.

Comparem as duas fotos abaixo de um exame de fundo de olho. A primeira é de um olho normal. O segundo é um olho com retinopatia hipertensiva avançada. As manchas vermelhas arredondadas são hemorragias e as manchas claras são pus. Reparem na deformidade dos vasos. (leia: FUNDO DE OLHO | Oftalmoscopia).

Fundo de olho normalFundo de olho - hipertensão arterial

HIPERTENSÃO E CORAÇÃO

O coração é talvez o órgão que mais sofra com a hipertensão. A pressão arterial elevada faz com o ele tenha que bombear o sangue com mais força para vencer essa resistência. O coração é um músculo e como tal se hipertrofia (aumenta a massa muscular) quando submetido a esforços cronicamente. Um coração com massa muscular aumentada apresenta um espaço menor na sua cavidade para receber sangue. Isso é chamado de disfunção diastólica.

A hipertrofia do ventrículo esquerdo e a disfunção diastólica são os sinais mais precoces de estresse cardíaco pela hipertensão. Podem ser detectados no eletrocardiograma, mas são mais facilmente vistos no ecocardiograma.

Como um elástico que durante muito tempo foi esticado e acaba por perder sua elasticidade, ficando frouxo, o coração depois de anos de estresse pela hipertensão deixa de hipertrofiar e começa a dilatar-se, perdendo a capacidade de bombear o sangue. A esta fase dá-se o nome de insuficiência cardíaca (leia: INSUFICIÊNCIA CARDÍACA - CAUSAS E SINTOMAS).

A hipertensão também aumenta o risco de doença coronariana, estando os pacientes hipertensos mal controlados sob maior risco de infarto do miocárdio (leia. INFARTO DO MIOCÁRDIO | Causas e prevenção).

HIPERTENSÃO E CÉREBRO

Um dos mais importantes fatores de risco para AVC (derrame cerebral) é hipertensão arterial (leia: AVC (acidente vascular cerebral) ).

Muitas vezes os infartos cerebrais são pequenos e não causam grandes sequelas neurológicas. Conforme o tempo passa e hipertensão não é controlada, essas pequenas lesões vão se multiplicando, sendo responsáveis pela morte de milhares de neurônios. O paciente começa a apresentar um quadro de progressiva perda das capacidades intelectuais, que costuma passar despercebida pela família nas fases iniciais, mas que ao final de vários anos leva a um quadro chamado de demência multi-infarto ou demência vascular.

Na maioria das vezes, estas lesões de órgãos importantes causadas pela hipertensão arterial mal controlada podem ser revertidas se tratadas a tempo. Mas para isso é necessária a conscientização de que a hipertensão deve ser tratada antes dos sintomas das lesões destes órgãos aparecerem, e não depois.

Os principais fatores de risco para hipertensão arterial são:

- Raça negra
- Obesidade
- Elevado consumo de sal (leia: SAL E HIPERTENSÃO)
- Consumo de álcool (PERIGOS DO CONSUMO DE ÁLCOOL E DO ALCOOLISMO)
- Sedentarismo
- Colesterol alto
- Apneia obstrutiva do sono
- Tabagismo
- Diabetes Mellitus (Leia: DIABETES | Diagnóstico e sintomas)

Hipertensão maligna e urgência hipertensiva

A hipertensão maligna é uma emergência médica e ocorre quando há um aumento súbito dos níveis da pressão arterial, causando lesão aguda de órgãos nobres como rins, coração, cérebro e olhos. A hipertensão maligna normalmente se apresenta com valores de pressão sistólica acima de 220 mmHg ou diastólica acima de 120 mmHg

As manifestações mais comuns são insuficiência renal aguda, hemorragias da retina, edema da papila do olho, insuficiência cardíaca aguda e encefalopatia (alterações neurológicas pela pressão elevada).

Nem todo paciente com níveis elevados de pressão arterial apresenta hipertensão maligna. Para que isso ocorra é preciso, além da hipertensão grave, haver sintomas e lesões agudas de órgãos nobres. Quando os níveis tensionais estão muito elevados, normalmente acima de 180 x 120 mmHg, mas não há sintomas ou lesões agudas de órgãos, chamamos de urgência hipertensiva.

A hipertensão maligna é indicação de internação e redução rápida dos valores da pressão. Na urgência hipertensiva, não há necessidade de hospitalização e a pressão pode ser reduzida gradativamente ao longo de 24-48 horas.

Tratamento da hipertensão arterial

Uma vez feito o diagnóstico, todos os doentes devem se submeter a mudanças de estilo de vida antes de se iniciar terapia com medicamentos. As principais são:

- Redução de peso
- Iniciar exercícios físicos
- Abandonar cigarro (leia: MALEFÍCIOS DO FUMO)
- Reduzir o consumo de álcool (leia: MALEFÍCIOS DO ÁLCOOL)
- Reduzir consumo de sal 
- Reduzir consumo de gordura saturada (leia: COLESTEROL BOM (HDL) E COLESTEROL RUIM (LDL))
- Aumentar consumo de frutas e vegetais

A redução da pressão com essas mudanças costuma ser pequena e dificilmente uma pessoa com níveis pressóricos muito altos (maior que 160/100 mmHg) atinge o controle sem a ajuda dos remédios. Todavia, nas hipertensões leves, há casos em que apenas com controle do peso, dieta apropriada e prática regular de exercícios consegue-se o controle da pressão arterial. O problema é que a maioria dos pacientes não aceita mudanças nos hábitos de vida e acabam tendo que tomar medicamentos para controlar a pressão.

Aqueles doentes que já chegam ao médico com pressão alta e sinais de lesão de algum órgão alvo devem iniciar tratamento medicamentoso logo, uma vez que o fato indica hipertensão de longa data. Obviamente, as mudanças de estilo de vida também estão indicadas neste grupo. 

Apenas pacientes com sinais de lesão de órgão alvo, insuficiência renal crônica (leia: VOCÊ SABE O QUE É CREATININA ?), diabetes ou com doenças cardíacas, devem iniciar o tratamento com drogas imediatamente.

Remédios para hipertensão arterial (anti-hipertensivos)

Vou descrever os principais medicamentos usados para controlar a pressão alta. Não use esse texto para se auto-medicar (até porque não descrevei as doses), mas sim para poder discutir com seu médico a droga mais indicada no seu caso.


São inúmeras as drogas usadas no tratamento da hipertensão arterial, porém quatro classes são classificadas de drogas de primeira linha. É importante destacar que muitos pacientes precisam de mais de um medicamento para controlar sua pressão arterial. Algumas pessoas têm hipertensão de difícil controle e, às vezes, precisam de até seis drogas anti-hipertensivas. O tratamento dos casos de hipertensão arterial de difícil controle será discutido em um texto à parte: HIPERTENSÃO ARTERIAL DE DIFÍCIL CONTROLE.

1.) Diuréticos tiazídicos (leia: DIURÉTICOS - Furosemida, Hidroclorotiazida, Indapamida)

Ex: Hidroclorotiazida, Indapamida e Clortalidona

São drogas baratas e com bons resultados. Se não forem a primeira opção, devem ser na pior das hipóteses a segunda. Essa classe de diuréticos é uma ótima primeira opção como anti-hipertensivos para negros e idosos.

Doses muito elevadas podem atrapalhar o controle da glicemia em diabéticos. Diuréticos aumentam o ácido úrico e devem ser evitados em quem tem gota (leia: GOTA e ÁCIDO ÚRICO).

O Lasix (furosemida) é um diurético de outra classe e não está indicado como primeira linha no tratamento da hipertensão, exceto em doentes com insuficiência cardíaca ou insuficientes renais crônicos.

2.) Inibidores da ECA (IECA) e Antagonistas dos receptores da angiotensina 2 (ARA2) (leia: TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO - Captopril, Enalapril, Losartan...)

Ex: Captopril, enalapril, ramipril, lisinopril, losartan, candesartana, olmesartana

Também excelentes drogas para o controle da pressão arterial. São indicados principalmente em jovens, pessoas com doença cardiovascular e insuficiente renais crônicos , principalmente se já houver proteinúria.

Funcionam mal em negros. Podem elevar o potássio sanguíneo e causar alergias em alguns doentes.

3.) Inibidores do canal de cálcio (leia: TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO | Nifedipina, Adalat, Amlodipina...)

Ex: Nifedipina e Amlodipina

Melhor escolha para negros e muito bom para idosos.

É uma classe de hipertensores com forte ação, sendo um boa opção quando a pressão alta não cede com diuréticos ou IECA.

Algumas pessoas apresentam edemas (inchaços) nos membros inferiores como efeito colateral (leia: INCHAÇOS E EDEMAS ).

4.) Beta-Bloqueadores

Ex: Propranolol, Atenolol, Carvedilol, metoprolol, bisoprolol

São inferiores aos três anteriores, mas devem ser primeira escolha nos doentes com doença cardiovascular, arritmias cardíacas, enxaqueca (leia: DOR DE CABEÇA (CEFALEIA)), hipertireoidismo (leia: DOENÇAS E SINTOMAS DA TIREOIDE ) e pessoas ansiosas com tremores das mãos.

Não deve ser usado em asmáticos e pessoas com frequência cardíaca abaixo dos 60 batimentos por minuto.

Doentes com hiperplasia benigna da próstata devem usar uma outra classe chamada de Bloqueadores alfa como o Prazosin e o Doxazosin. São drogas de segunda linha que não devem ser prescritas em outros grupos Neste casos graves, de difícil controle, existem alternativas como hidralazina, metildopa, clonidina e minoxidil, medicamentos mais potentes, mas também com maior incidência de efeitos colaterais.


Do site http://paulaleonny.no.comunidades.net
 

domingo, abril 15, 2012

TV Chapada do Araripe está de Cara Nova


Novidade no Ar...




A TV Chapada do Araripe ( Antes referenciada como TVCrato ) é uma coleção crescente de vídeos, reportagens, entrevistas e apresentações musicais direcionadas a mostrar a Arte, Cultura e a Informação na região do Cariri Cearense. Estamos trabalhando atualmente no sentido de disponibilizar novos programas semanais, que estrearão em breve. O novo site abriga as produções da WEB-TV Chapada do Araripe exibidos ao longo de vários anos, e pode ser acessado pelo link: www.tvchapadadoararipe.com

Veja as novas vinhetas da TV Chapada do Araripe:

Uma das novas vinhetas do canal:


Vinheta do Programa "DM STUDIO", que está em fase de pré-produção:



Já está em fase de pré-produção o mais novo programa da TV Chapada do Araripe, o "DM STUDIO", apresentado pelo pianista Dihelson Mendonça, o programa será mais que um Talk Show; Trará toda semana um convidado para entrevista, reportagens sobre os assuntos que foram destaque durante a semana no Cariri, no Brasil e no Mundo. Em breve!

Dihelson Mendonça
Administrador do Sistema Chapada do Araripe de Comunicação

www.tvchapadadoararipe.com
www.radiochapadadoararipe.com
www.chapadadoararipe.com ( Portal de notícias do cariri )
www.blogdocrato.com ( o maior acervo do Crato na Internet )
www.filhoseamigosdocrato.com ( Comunidade do Crato no facebook )

sexta-feira, março 30, 2012

HOJE - Sexta-Feira, dia 30 - Dihelson Mendonça é entrevistado no Programa Cariri Encantado da Rádio Educadora do Cariri

.

HOJE, Sexta-Feira, dia 30 de Março
Horário: 14:00
Rádio Educadora do Cariri
O programa pode ser ouvido pelo Blog do Crato ou qualquer site da Rede Blogs do Ceará que tenha o player da Rádio Chapada do Araripe - Ex. Cariricult, Cariricaturas, Blog do Sanharol, Beto Fernandes, etc, ou pelo site da Rádio Educadora:

quinta-feira, março 15, 2012

Aniversário do Haroldo Ribeiro - 15 de Março


Hoje é um dia muito especial. O dia do aniversário do meu irmão, do meu melhor amigo, daquele que contribuiu muito para a minha vida em todos os sentidos.

Mesmo o pouco que eu sou, devo quase tudo a este homem que me abriu as portas não só para o mundo da música, como também para as grandes questões da vida, que um rapazinho bobo de vinte e poucos anos jamais iria pensar por si mesmo. Hoje é o aniversário do Dr. Haroldo Heitor Ribeiro ( pai ).

Haroldo é um ser de características divinas. A sua retidão, honestidade, firmeza, auto-controle ( isso mesmo ), sapiência imensa em quase todas as áreas, sempre causou espanto a quem o conhece. Alguém não poderia ser mais feliz do que eu por ter por muito tempo convivido com este verdadeiro gênio da vida, que contagia com suas idéias, alegria, excentricidades quem dele se aproxima.

Ninguém fica indiferente ao Haroldo Ribeiro. Ou se ama, ou se o detesta, mas sairá dizendo que conheceu um grande homem, e isso para mim, é a maior marca que um ser humano pode almejar nesta terra, pois o mais, é efêmero. Todos os nossos sonhos perecerão um dia. Progressos materiais de nada servem, a não ser enquanto estamos aqui. O melhor da vida é viver a própria vida com dignidade, com amor, com MÚSICA. São infindáveis os ensinamentos do Haroldo, e em pé de igualdade a qualquer sábio do oriente, muitos de nós deve parte do nosso progresso às suas muitas lições de vida, em conversas filosóficas e nos exemplos.

Meu querido irmão Haroldo. Como sempre dizemos, grandes amigos são os irmãos não-consanguíneos que a gente pôde escolher. Desejo-lhe um Feliz Aniversário, e Felicidade, muita PAZ, entrelaçada com momentos da mais perfeita alegria. Nem sei o que de bom eu possa mais te desejar mais aqui, porque minha alma já está tão feliz pelo dia de hoje que só é possível apenas sentir sem palavras.

E tu bem sabes que eu te desejo tudo de bom sempre, mas eu queria mesmo espalhar essa novidade a todos que não o sabem, através das minhas desengonçadas palavras improvisadas neste choro-canção...

Um grande abraço, meu amigo!
Acima de tudo, eu só te peço uma coisa: Que continue a ser cada vez mais o que sempre foi: Um grande amigo de todos.

Dihelson Mendonça
( perdoe-me os muitos erros ortográficos desse pobre redator, a pressa também é inimiga do ótimo ), rs rs rs.

quinta-feira, janeiro 19, 2012

O que é melhor pra cidade ? Mudar um problema que acontece uma vez no ano, ou um que existe todo dia ?


O parque de Exposições é pra ser usado o ano inteiro pela população, e não apenas durante uma semana. Vamos derrubar aqueles muros! O Crato também precisa de novas avenidas perimetrais, ligando do Centro de Convenções ao Grangeiro, por dentro, criando novos bairros e valorizando terras onde hoje é apenas mato!

Dihelson Mendonça

http://4.bp.blogspot.com/-Epspkwu4_fw/TxdJ7jJYZkI/AAAAAAAAdu0/N4kw9XHPPPE/s1600/parque02.jpg


Como todos nós sabemos, há uma grande discussão no Crato sobre o que fazer com o Parque de Exposições, que já não comporta o volume de pessoas e investimentos. Alguns são da opinião que deve-se construir um novo parque. Outros são a favor que se amplie o atual. Os motivos são variados. O local se tornou pequeno. Entretanto, pouca gente sabe que apenas 30 a 40 por cento do espaço é utilizado para a Expocrato.

Em 2009, o governador Cid Gomes ofereceu 25 milhões para a expocrato ( Para construção de um novo parque ou reforma do atual ). A prefeitura então, entregou um projeto que já dispunha, de ampliação e reforma, elaborado em 2005/2006 que passa a utilizar os outros 70% da área, e transformaria o parque numa área verde da cidade para uso diário pela população, e não apenas uma vez por ano, como acontece hoje.

O parque ampliado seria um Parque Central Arborizado, uma espécie de IBIRAPUERA Cratense, com Lago, pistas de cooper, anfiteatro, etc, uma área de lazer para ser usada o ano todo pela população. Convenhamos que é muita sem serventia um parque cercado de muros para ser usado apenas só uma vez ao ano localizado em área nobre, no centroda cidade. É preciso derrubar os muros e deixar a população usar, ms não só isso, melhorar a infraestrutura toda.

E o destino da URCA ?

A URCA deveria sair dali, porque causa problemas de infraestrutura o ano inteiro, todos os dias, com dezenas de ônibus atrapalhando e poluindo o centro da cidade, e agora pior, porque não podem trafegar veículos pesados, causando um gargalo no tráfego de veículos. Sou a favor que a URCA se mude para a Cidade Universitária, junto com a Faculdade Católica e o Centro de Convenções, formando o maior aglomerado de educação do Cariri em terras cratenses. O que é melhor para nossa cidade, remover um problema que acontece uma vez ao ano, ou um que acontece todo dia ?

No projeto de ampliação da Expocrato elaborado pela equipe do Prefeito Samuel Araripe, contempla ainda a construção de 5 avenidas saindo do Centro de Convenções por dentro, passando pela expocrato e indo ao parque Grangeiro e Lameiro, que criaria vários novos bairros no Crato, valorizando terras onde hoje é apenas mato. Pois bem, esse projeto já orçado em todos os custos foi entregue ao Governador já por 5 vezes, que deu o silêncio como resposta desde 2009.

Cadê o nosso governador que não sustentou a promessa que fez aos Cratenses ?

Por: Dihelson Mendonça

sábado, dezembro 17, 2011

Mensagem ao Bruce Bueno de Mesquita

Bruce Bueno de Mesquita é na atualidade, uma das figuras mais controversas do planeta. Ele é um "profeta" que usa a teoria dos jogos e a matemática pura, com alta tecnologia para prever desastres mundiais, tendências e coisas do gênero. Assisti a uma palestra dele via internet, muito interessante, no site TED, onde estamos conversando sobre o Bruce e o seu método. Um dos comentaristas escreveu sobre a relação do povo judeu com o governo iraniano, e isso levou o Bruce a quebrar uma de suas próprias regras, que é não discutir o assunto via internet. Ele, que demonstra agir totalmente pela razão, foi apanhado de surpresa pela emoção e acabou mudando todo o rumo da discussão.

Sobre isso, escrevi o seguinte comentário, que publico aqui no meu blog para alertar da tendência que alguns possuem de verem apenas as profecias que acontecem, desconsiderando as que nunca são cumpridas:

"See, Bruce, how the world is really unpredictable. You broke your own rule by writing here. On the same way, new facts not taken into account can contribute to a whole new future. Emotion is involved, you reacted based on emotion, you are a human being. A single and unpredictable Individual fact can change the world, for example, the assassination of Austria-Hungary's heir, which led to the WWI.

But above all this, there´s and old saying: "You know when a prophet is true, when his predictions are fulfilled". But we should take into account how many of your prophecies DID NOT happened, Sr !.

People always tend to take into account only those ones which were fulfilled, discarding the wrong ones. This is math too. Statistically, have you hit more than you´re wrong, or are your prophecies on the level of the everage probability results ?

Now, this is Math..."

Dihelson Mendonça

terça-feira, dezembro 13, 2011

Estações de Rádio e Bandas de Forró promovem o Alcoolismo e a Decadência Cultural



No dia 13 de dezembro comemora-se o aniversário de nascimento do ícone maior da cultura nordestina: Luiz "Lua" Gonzaga. Homenageamos este verdadeiro "gênio" que conseguiu em primeira instância, promover a imagem do nordeste no sul do país, divulgando nossos costumes, tradições, e sobretudo, nossa música; Uma música pura, vinda do seio da população, com acordes bastante característicos e uma temática voltada às alegrias e às tristezas do sertanejo.

O legado de Luiz Gonzaga se perpetuará, e deve sempre ser lembrado e valorizado pelas novas gerações. Infelizmente, há um movimento organizado, promovido pela maioria das estações de rádio, promotores de eventos e bandas de forró eletrônico que insistem em querer APAGAR a imagem do Luiz Gonzaga, quando resolvem promover o mau gosto e a decadência representadas pelas bandas de forró eletrônico no rádio e em todos os veículos de comunicação, com formas apelativas que expõe o que há de mais ridículo no ser humano, enquanto boicotam a música de qualidade; A decadência musical e cultural tomou conta das nossas estações, conduzidas por locutores tapados, que não têm qualquer formação cultural ou musical. Vendem um produto que nada entendem, para uma população de macacos que se conformam com o pão e o circo fácil, em músicas que promovem o ALCOOLISMO, a Prostituição, e a desvalorização da mulher na sociedade, aliados a lucros enormes dos que comandam esse cartel via satélite.

Se nós quisermos desenvolver o nordeste e transformá-lo em uma região de nível igual ou semelhante ao restante do país, precisamos investir muito na educação geral, e isso eventualmente passa por uma valorização daquilo que tem valor real, do resgate aos nossos ícones culturais e artísticos, e contra uma decadência que vêm se arrastando há décadas, por grupos econômicos e submetendo a população a todo um processo de massificação.


Nesta data, homenageamos a figura ímpar do Luiz Gonzaga. Um homem simples, que vindo do meio do povo, carregou sobre as costas, a história, a tradição e a cultura de todo o povo nordestino.

Dihelson Mendonça
13/12/2011